});
segunda-feira, setembro 27, 2021
Autores Posts por Vem Na Mão

Vem Na Mão

133 POSTS 0 COMENTÁRIOS

O jornal disse que De La Hoya assinou contrato com covid-19 e Belfort enfrentará o Holyfield

 

A batalha entre Oscar de La Hoya e Vitor Belfort não vai mais acontecer. De acordo com o TMZ, haverá algumas mudanças na mostra inicialmente marcada para 11 de setembro.Afinal, os americanos deram positivo para COVID-19.

Segundo o jornal, o possível substituto do brasileiro será o ídolo do boxe Ivand Holyfield, de 58 anos. Para que as alterações sejam confirmadas, basta a autorização da Comissão de Esportes do Estado da Califórnia.

Esse confronto é cheio de expectativas, afinal marcará a volta de Oscar aos ringues depois de mais de uma década. Seu último jogo foi em 2008, quando perdeu para Manny Pacquiao.

Vitor Belfort, de 43 anos, participou do MMA profissional pela primeira vez em 1996 e permaneceu na ativa até maio de 2018, data em que participou pela última vez da competição Ultimate, quando foi eliminado pelo compatriota Lyoto Machida no UFC 224.

Ao todo, o lutador carioca acumula 26 triunfos, 14 reveses e um ‘no contest’ (luta sem resultado) no seu cartel.

Ex-peso pesado do UFC desafia Jack Paul e recomenda uma aposta: ‘Ganhe tudo’

Cada vez que ele aparece em esportes de luta, Jack Paul expande sua lista de competidores. No último domingo (29), em luta de boxe em Cleveland (EUA), o youtuber derrotou o ex-campeão meio-médio do UFC (77 kg) Tyronn Woodley e foi incluído na decisão divergente dos jurados. Muitos atletas, incluindo o veterano Roy, alvejaram Nelson.

Em sua rede social, o “grande país” de 45 anos, listado gratuitamente, lançou um desafio educado ao youtuber. Nele, o lutador experiente se diferencia dos demais atletas e não ofende Jack.

Vale destacar que Nelson é conhecido por sua capacidade de nocaute e um jogador peso-pesado no MMA, ou seja, é um jogador profissional superior ao astro da Internet e seu adversário. Mesmo assim, o veterano ignorou as diferenças físicas na busca pela vitória na batalha contra as celebridades.

“Parabéns Jack, mas se você quiser escolher um velho gordo, eu sou sua pessoa, e aposto com você. O vencedor leva tudo”, escreveu o peso-pesado em sua ‘conta oficial no Twitter’.

O campeão do TUF 10 Roy Nelson (Roy Nelson) é um veterano muito querido na comunidade do MMA. O peso pesado veio à tona no UFC no qual ingressou de 2009 a 2017. Para a empresa, o “grande país” disputou 19 partidas, venceu 9 partidas, 8 partidas a eliminar e perdeu 10 partidas.

Sua vitória mais marcante neste esporte foi a vitória sobre Antonio “Pezzo”, Brendan Schaub, Chek Kongo, Matt Mitrio, Mirko Crow Cope, Luo Derigo “Minotauro” e Stefan Struf. Não há luta desde agosto de 2020. Nelson continua ativo no MMA, mas em uma fase péssima, perdendo cinco jogos consecutivos.

O icônico ex-árbitro do UFC Mario Yamazaki considera a aposentadoria do MMA: “Não sei se voltarei”

Um dos árbitros mais icônicos do MMA e UFC profissional não consegue mais entrar na jaula desse esporte. O brasileiro Mario Yamazaki não mede um jogo desde fevereiro de 2018. Na Ultimate Edition, realizada em Belém (Pensilvânia), ele afirmou que sua carreira no esporte pode ter acabado.
O brasileiro revelou a notícia em entrevista exclusiva à reportagem Ag. Fight.

No início de 2020, Yamazaki revelou que estava fazendo cursos para voltar ao esporte. Porém, devido às restrições impostas pela pandemia do COVID-19, o profissional admitiu que mudou de ideia e que sua trajetória nesse modelo pode até ter acabado.

Atualmente, o “Arbitro do Coraçãozinho” conhecido do público brasileiro que acompanha o UFC mora nos Estados Unidos e atua no setor imobiliário local. A partir de agora, Yamazaki pretende se concentrar neste ramo. Porém, o profissional não deixou de agradecer por tudo o que viveu no MMA.

“Depois da pandemia, finalmente parei de perseguir isso (voltando ao MMA). Não acho que voltarei este ano. Não sei se serei árbitro novamente. Ninguém sabe no futuro. Mas agora estou bloqueado e não tenho perspectiva de voltar ao UFC. MMA nunca foi meu trabalho principal. Tenho uma construtora, compro e reformao casas e presto serviços para grandes empresas ”, explicou o árbitro, antes resumindo o raciocínio

“O MMA sempre foi um hobby para mim, um hobby muito bom. Claro, se você me der outra chance, com certeza estarei de volta no ano que vem, sem dúvida. Mas já faz 20 anos no UFC. Isso não é adequado para todos. Fiz o que tinha que fazer. Com as viagens, eles me deram algumas oportunidades. Foi ótimo “, acrescentou Yamazaki.

Como árbitro final, Mario Yamazaki participou de eventos históricos da organização, como o primeiro UFC 100 realizado no Rio de Janeiro em agosto de 2011, e também participou em 2011, de Anderson Silva e Vito Belfort. Este é o chamado “Duelo do Século” .

Edson Barboza relembra suas emoções no UFC Rio 1 há dez anos: “Dá vontade de chorar”

O atual peso leve do UFC disputou apenas a terceira partida na organização, e o card carioca principalmente sufocou a saudade de seus pais: “Faz dois anos que não vou ao Brasil”.

No dia 27 de agosto de 2011, Edson Barboza (Edson Barboza) apareceu pela terceira vez no UFC, mas nunca será esquecido. Dez anos depois de derrotar Rose Pearson por decisão dividida em duelo no Rio de Janeiro que foi escolhido como a “Batalha da Noite”, este evento marcou o retorno da organização ao país quase 13 anos após sua primeira passagem, o brasileiro disse a alguns nos bastidores dessa data.

-Eu me lembro de muitas coisas sobre aquele evento. Uma delas é que não vou ao Brasil há dois anos, quando fui participar das atividades, pude conhecer meus pais. Isso é muito especial. Sinto muito a falta dos meus pais.

-Eu me lembro de muitas coisas sobre aquele evento. Uma delas é que não vou ao Brasil há dois anos, quando fui participar das atividades, pude conhecer meus pais. Isso é muito especial. Sinto muito a falta dos meus pais.

A vitória de Edson veio na decisão dividida (29-28, 28-29 e 29-28). Ele também disse que quando viu que o segundo jogo do card principal estava cheio de lugares, ele mal pôde evitar o choro.

-Ainda me lembro da minha entrada, foi um dos momentos mais legais da minha carreira no UFC. Estou atrás da cortina e quando se abre dá vontade de chorar e dá uma emoção! Falando comigo, eu falei: “Agora não é hora de chorar, você tem que lutar!” (Risos). Foi um momento muito especial na minha carreira. Nossa, dez anos se passaram!

Esse sentimento vem de uma variedade de fatores, incluindo a companhia de familiares e a atmosfera proporcionada pelos fãs brasileiros.

– (O clima é) O clima, fãs, e saber que meu pai está lá assistindo. Depois de muito tempo, vim ao Brasil e participei dele, é o maior evento do mundo, é uma mistura de emoções e é muito especial. maravilhoso! De repente me ocorreu: Nossa, eu sou um deles … Se fosse há alguns anos eu gritaria e torceria para os brasileiros nas arquibancadas, e hoje faço parte desse grande show.

Jack Paul quase caiu, mas derrotou Tyronn Woodley em uma batalha que entusiasmou até LeBron James

Jack Paul continua invicto em sua carreira de boxe profissional! Neste domingo, o usuário do YouTube quase foi derrubado por Tyron Woodley e se assustou, mas em jogo realizado em Cleveland, Ohio, EUA, por decisão diferente dos juízes, conseguiu se recuperar e derrotar o ex-campeão do UFC.

Embora o início tenha sido um pouco lento, a batalha até deixou LeBron James animado. “Cleveland está latejando! Eu deveria ir para casa!”, Disse a estrela do Los Angeles Lakers por meio de seu Twitter.

A batalha começou com o governo completo de Jack Paul. Acontece que Woodley era muito tímido e não tinha muito senso de urgência, ele deixou seu oponente lidar com todos os movimentos nos primeiros 3 rounds e quase não foi atingido. Porém, no 4º round, o ex-campeão do UFC deu um belo soco no YouTube e quase foi eliminado, mas não cedeu.

Woodley continuou a subir e tivemos a melhor rodada de batalha. No jogo seguinte, Woodley continuou a pressionar e teve a melhor chance de chute, mas não conseguiu finalizar novamente. No 6º round, Jack se recuperou e equilibrou seus movimentos na luta, apesar do aparente cansaço.

A batalha foi equilibrada até o fim, apenas o juiz decidiu, e eles entregaram a vitória a Jack Paul.

 

Algoz de Edson Barboza define metas para sua sequência de penas no UFC

Após vencer Edson Barboza no Main Event do UFC Vegas 35 para manter a invencibilidade no Ultimate, Giga Chikadze traçou seus principais objetivos para o futuro peso pena (66 kg) no Ultimate. O atleta da Geórgia destacou que esta vitória lhe permite almejar uma maior visibilidade na organização.

Se antes do confronto Giga mostrou esperança de se tornar o time reserva para o campeonato entre Alexander Volkanovski e Brian Ortega, este jogo será realizado no dia 25 de setembro após sua grande vitória, então este competidor estará na coletiva de imprensa Shang ainda enfatizou sua disposição mais. No entanto, além desta batalha, Chikaze também anunciou outros planos.

“Estou aqui para fazer o melhor jogo e enfrentar os grandes nomes (desta categoria). Adoraria ser substituto da luta pelo cinturão. Senão (ser reserva para o duelo pelo campeonato), tem um Havaiano no departamento (Max Holloway). Ele sabe meu nome “, disse o soldado, e então propôs seu próximo plano na divisão.

“Não estou interessado em mais nada. Antes dessa luta, todo mundo se recusava a me enfrentar. Todo mundo dos cinco primeiros recusou essa luta, então eu lutei com um nome maior que os cinco primeiros do Edson. Então, quero me ver no os cinco primeiros do ranking na próxima semana, na verdade os três primeiros “, acrescentou.

Giga Chikadze, de 32 anos, estreou no UFC em 2019 e segue invicto no campeonato, vencendo sete jogos consecutivos na categoria. No MMA, o profissional da Geórgia disputou 16 partidas, venceu 14 partidas e foi derrotado duas vezes. Sua vitória mais marcante no esporte foi neste sábado, contra o brasileiro Edson Barbosa.