Thomas Almeida festeja nocaute espetacular no UFC 189 e projeta retorno em novembro

280
Atleta da Chute Boxe Diego Lima venceu o inglês Brad Pickett no último sábado com uma linda joelhada voadora e faturou o terceiro prêmio em três lutas no Ultimate.
Joelhada é uma das marcas da Chute Boxe Diego Lima, academia de Thomas / Foto: Gaspar Nóbrega/Divulgação MKS
A noite do último sábado, dia 11 de julho, foi histórica para o UFC. A edição 189, realizada em Las Vegas, coroou o irlandês Conor McGregor como campeão interino peso-pena e teve a luta história que manteve Robbie Lawler como campeão peso-meio-médio, foi considerada a maior já realizada pela franquia, em termos de proporção, bilheteria e vendas de pay-per-view. O brasileiro Thomas Almeida foi um dos reponsáveis por abrilhantar ainda mais essa festa, ao nocautear de maneira espetacular o inglês Brad Pickett, com uma joelhada voadora no segundo round, na abertura do card principal. Foi sua terceira vitória no UFC, a 19ª na invicta carreira, e o terceiro bônus consecutivo em três lutas na maior organização de MMA do mundo, o segundo de performance da noite. 
Após vencer Tim Gorman, na decisão unânime dos juízes, e Yves Jabouin, por nocaute, em seus dois primeiros combates no Ultimate, Thomas teve em Pickett o adversário que mais lhe ofereceu perigo e sofreu um knockdown no primeiro assalto. O susto o fez acordar, e de forma incrível reverter o quadro para nocautear ao melhor estilo Chute Boxe.
“O Brad Pickett é um lutador muito duro, tem a mão muito pesada e eu demorei para me encontrar na luta. Por outro lado, tinha certeza que quando me achasse o nocaute iria acontecer. Ele é bem experiente e essa vitória foi um grande passo na minha carreira, superar um veterano tão duro vale muito. Eu estou acostumado a levar porrada, sou da Chute Boxe, e lá isso faz parte da rotina. Foi bom para mostrar que posso reverter situações complicadas também”, analisa.
O UFC 189 proporcionou a Thomas Almeida a realização de um sonho: lutar em Las Vegas. E se não bastasse toda a atmosfera de lutar na histórica MGM Grand Arena, o brasileiro teve que lidar com o amplo favoritismo apontado para si nas casas de apostas e com os constantes elogios do presidente do UFC, Dana White. A grandeza do evento e tamanha expectativa em cima de um atleta de 23 anos poderiam naturalmente gerar nervosismo, mas não para Thomas Almeida, que mostrou lidar bem com a pressão ao transformá-la em motivação na hora do combate.
“Eu fico muito feliz com todas as esperanças depositadas em mim, os elogios do Dana, mas sou um cara pé no chão e não deixo isso me atrapalhar de forma alguma. Na hora da luta, meu foco é só no que treinei durante toda minha preparação e procuro esquecer todo o resto. Toda essa confiança no meu trabalho é fruto das minhas boas atuações no Ultimate e eu levo essa pressão para o lado positivo, transformando em mais motivação para conseguir a vitória”, afirma.
Encontro com astros e foco na preparação dos companheiros na volta ao Brasil
Thominhas ainda está curtindo os dias de turista em Las Vegas após o triunfo sobre Pickett e retorna ao Brasil na quarta-feira, para depois viajar com a família, de férias, para a Costa Rica. A vitória e o bônus da noite não foram as duas únicas premiações do paulistano, que também conheceu um de seus ídolos nas artes marciais, o lendário boxeador Mike Tyson, e o astro da Seleção Brasileira de futebol, o atacante Neymar. “Fiquei muito feliz após o evento porque tive a chance de conhecer um cara que me inspirei desde pequeno para começar a lutar, que foi o Mike Tyson. Receber elogios dele foi melhor do ganhar a luta (risos). Gostei muito do Neymar também, é um moleque muito carismático e humilde. Minha participação nesse evento superou meus melhores sonhos”, celebra.
A viagem de férias será encurtada para estar no Brasil ainda no início de agosto, quando estará recuperado das pequenas lesões sofridas na luta contra Brad Pickett e pronto para treinar. O foco será nos companheiros Felipe Sertanejo e Charles do Bronx, que lutam no dia 23 de agosto, contra Yves Jabouin e Max Hollaway, respectivamente, no UFC Fight Night 74, no Canadá.
“Volto para o Brasil para cuidar do meu corpo, viajo com a família, e depois vou focar muito na minha equipe. Temos grandes batalhas pela frente e todos sempre me ajudaram muito até hoje, não posso deixar de retribuir à altura”, afirma Thomas, que projeta seu retorno ao UFC ainda neste ano. “Eu quero lutar novamente esse ano, o mês de novembro é uma boa data e vou fazer de tudo para fechar 2015 com chave de ouro”. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here