Thales Leites exalta batalha no UFC Escócia e espera voltar a lutar até o fim do ano

155

Peso-médio da Nova União acredita que ganhou pontos com a organização após a derrota em combate muito equilibrado diante Michael Bisping, no último sábado.

Thales Leites enfrentou Michael Bisping no último sábado, dia 18 / Foto: Divulgação/UFC

O peso-médio Thales Leites protagonizou, no último sábado, dia 18 de julho, uma batalha de cinco rounds contra o inglês Michael Bisping no UFC Fight Night 72, na Escócia. Na decisão dividida dos juízes laterais, o atleta da Nova União saiu derrotado, interrompendo uma sequência de cinco vitórias seguidas no UFC e oito na carreira. Apesar do revés, Leites saiu do octógono satisfeito com seu desempenho e espera ter ganho pontos com a organização pela raça e qualidade demonstradas contra o britânico. 
Thales reconhece que Bisping foi seu adversário mais difícil desde o retorno ao Ultimate. Após derrotar Tom Watson, Ed Herman, Trevor Smith, Francis Carmont e Tim Boetsch, o atleta da Nova União encarou pela primeira vez um adversário do top 10 do ranking da categoria. O britânico ainda lutou praticamente em casa, devido à proximidade da Inglaterra e Escócia, e o levou a cinco rounds de ação, algo que Thales só havia vivido uma vez na carreira. 
“O (Michael) Bisping está acostumado a lutar cinco rounds, foi esperto, jogou de maneira inteligente, usou o tempo a seu favor. Eu sabia do volume de jogo que ele iria impor. Lutei com o coração, para frente, dando o melhor. Minha intenção era nocautear, tanto que quando o acertava, percebia que ele sentia os golpes, e então permanecia na trocação. Achava que ele iria cair a qualquer momento, mas infelizmente não aconteceu, foi por pouco”, lamenta.
Thales também teve senso autocrítico e analisou os erros cometidos dentro do octógono. “Cometi alguns erros, deveria ter buscado mais o clinch para poder cansá-lo mais. Vou analisar com meus técnicos na Nova União o que posso melhorar. Não prometo vitória, porque esse é um esporte que qualquer um pode vencer. Mas o que posso prometer, sempre, é lutar com o coração e me entregar ao máximo nas lutas”, afirma.
Aos 33 anos, Thales mostra motivação e fôlego de menino. Mesmo após um duelo desgastante, tirou apenas alguns dias de folga para conhecer a Escócia e já volta ao Brasil nesta quinta-feira, dia 23. Seu plano é lutar ainda neste ano.
“Quero fazer mais uma luta esse ano, fechar 2015 por cima. Não é nenhum esforço anormal treinar e me preparar para uma luta, gosto do meu trabalho, amo o que faço e mesmo na minha época de descanso costumo treinar moderadamente. Então espero que até o final do ano possa ter mais um combate marcado, e estarei pronto para retomar o caminho crescente rumo ao topo da categoria. Essa derrota não vai me abalar, porque sei que ainda tem muita coisa boa guardada para mim”, afirma.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here