Léo Santos festeja presença no card do amigo José Aldo em seu primeiro duelo fora do Brasil pelo UFC

17
Atleta da Nova União encara Kevin Lee neste sábado, em Las Vegas, no UFC 194; Parceiro de treinos e amigo de longa data, José Aldo enfrenta Conor McGregor no mesmo dia.
Experiente Léo Santos é um dos atletas mais renomados da Nova União / Foto: Divulgação UFC
O carioca Leonardo Santos fará sua primeira viagem para fora do Brasil pelo maior evento de MMA do mundo. O atleta da Nova União enfrenta o norte-americano Kevin Lee neste sábado, dia 12 de dezembro, em Las Vegas, nos Estados Unidos, pelo UFC 194, na categoria peso leve (até 70, 3kg). A MGM Grand Garden Arena foi o local escolhido para receber o evento mais aguardado do Ultimate em 2015. Em sua 194° edição, o UFC tratou de colocar duas disputas de cinturão, uma pelo peso-médio (até 83,9kg), com Chris Weidman defendendo seu título contra Luke Rockhold e a outra, que será a principal atração, pela divisão dos penas, com José Aldo e Conor McGregor definindo de vez quem é o número um até 65,8kg. 
Léo estreou no UFC em junho de 2013, em Fortaleza, quando realizou a final do The Ultimate Fighter Brasil 2, contra William Patolino, e venceu com um katagatame no segundo round. Na ocasião Leo Santos contou com uma dose de sorte, já que o adversário original de Patolino seria o argentino Santiago Ponzinibbio, que se contundiu e foi cortado do combate. Com o título do TUF, o carioca ganhou um contrato com a organização e desde então já realizou outras três lutas, obtendo um empate contra Norman Parke e dois triunfos, sobre Efrain Escudero e o último, em março deste ano, sobre Tony Martin. Além da capital cearense, o atleta da Nova União se apresentou em Natal, Brasília e Rio de Janeiro. O momento de lutar fora do país chegou na hora certa e nervosismo não existe, apesar da importância da edição.
“Eu estou numa crescente na carreira e me sinto muito honrado em lutar num evento dessa dimensão. O mundo inteiro vai assistir essa edição e o UFC está me dando mais uma oportunidade. Estou pronto para isso e vou com a cabeça tranquila, pois não acredito que haja tanta diferença em lutar no Brasil ou fora, afinal tomar soco nos Estados Unidos e no Brasil é a mesma coisa (risos). Não me sinto pressionado também, porque já lutei quatro vezes pelo UFC e dessa vez não será diferente, seremos eu e meu adversário no mano a mano em um octógono. Isso me deixa tranquilo e apesar de não ter a torcida ao meu favor e nem a comida brasileira, estou muito feliz e satisfeito com essa chance”, garante Léo Santos.
Jiu-jitsu de rival não preocupa; Confiança em Aldo para duelo contra McGregor
Tanto Léo Santos quanto Kevin Lee vêm de vitória por finalização por mata-leão em suas últimas lutas. O brasileiro teve grande desempenho contra Tony Martin, mas o norte-americano impressionou ainda mais ao superar o compatriota James Moontasri em pouco menos de três minutos. Lee jamais havia terminado uma luta no UFC sem precisar da decisão dos juízes laterais e sua última performance impressionou, sobretudo pelo ótimo jogo de chão. Porém Léo Santos, faixa-preta e considerado o melhor atleta de jiu-jitsu peso-leve do mundo em 2006 e tido como um dos melhores de todos os tempos por especialistas, não se assusta.
“Jiu-jitsu por jiu-jitsu eu confio mais no meu, é claro, mas sei que ele também pode complicar a minha vida. Vi que venceu bem em sua última luta, mas comparando nosso nível no chão, o meu é superior. Se for para trocar porrada também estarei preparado e confiante, não me falta nada na Nova União e confio muito em minha equipe e nos treinamentos que fizemos nesses últimos meses. Se formos para o chão eu levo vantagem, se não, eu o surpreenderei em pé”, diz Léo Santos, que soma 14 vitórias, sendo nove por finalização, um empate e apenas três revezes na carreira. 
Em sua estreia vitoriosa pelo Ultimate, na decisão do TUF Brasil 2, Léo correu e comemorou junto do amigo e parceiro de treinos, José Aldo, que estava na torcida pelo carioca. Neste sábado, de forma inédita, os amigos lutarão no mesmo evento e ambos estarão transmitindo boas energias para que o sucesso seja recíproco. Léo garante que, apesar de todo o peso do combate de Aldo, que valerá o cinturão mundial dos penas, contra o irlandês Conor McGregor, será apenas mais uma batalha na vida do “campeão do povo”, que já superou desafios mais difíceis e não terá problemas para triunfar novamente, na sua opinião.
“Lutar junto com meu parceiro José Aldo é uma honra e uma grande motivação. Primeiro tenho que pensar em mim e depois vou assisti-lo e apoiá-lo. O McGregor é um grande atleta, mas não acho que seja a luta mais difícil do Aldo. Será a luta em que ele mais ganhará dinheiro, mas a nível de dificuldade já houve maiores. Ele vai vencer e manter o cinturão na Nova União com toda a certeza”, afirma o faixa-preta de jiu-jitsu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here